Boletim Rio Acre e Queimadas

O nível do Rio Acre continua baixando. Na manhã desta segunda-feira, 8, o manancial registrou a marca de 1,35 metro, segundo medição realizada pela Defesa Civil. O rio, que está com seu processo de vazão acelerado, está reduzindo 1,6 centímetro de seu nível por dia, aproximadamente.

O decreto de Situação de Emergência, assinado pelo governador Tião Viana, foi reconhecido pelo governo federal na semana passada, sendo publicado no Diário Oficial da União no último 4. O documento reconhece a situação de emergência em nove cidades do Acre (Acrelândia, Assis Brasil, Brasileia, Bujari, Epitaciolândia, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco e Xapuri).

Com o decreto, o Acre passa a receber apoio direto de órgãos federais. O plano de ação de emergência foi traçado pela Defesa Civil Estadual e Municipal e demais órgãos ambientais das esferas federal, municipal e estadual.

O governo, por meio do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa), segue executando o Plano de Contingência de Abastecimento, implementado em julho. Novas medidas deverão ser adotadas em possível agravamento do cenário de seca, caso o manancial registre a marca de 1,25 metro em Rio Branco.

Paralelamente às ações do plano, o governo também realiza a campanha “Nós contra o Desperdício”, que visa conscientizar a população sobre o uso racional de água. As ações educativas e de fiscalização estão sendo promovidas nos bairros da capital.

Queimadas

Com o agravamento do período de estiagem, o índice de focos de calor em todo o estado também aumenta. De janeiro até agosto, o Acre já registrou mais de mil focos de calor, entre queimadas urbanas e rurais, de acordo com os dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). O estudo aponta que nos últimos sete dias, houve um aumento de 433 registros de queimadas.

Feijó, seguido de Rio Branco, Tarauacá, Manoel Urbano, Sena Madeira e Cruzeiro do Sul, lidera o ranking de focos de calor em todo o estado.

O Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) e demais órgãos ambientais promovem ações educativas sobre os perigos das queimadas.

Com o aumento dos focos de calor, medidas mais severas serão adotadas, onde crimes ambientais estão sendo fiscalizados, e os responsáveis, autuados, como previsto em lei.

Um termo de cooperação técnica entre a Polícia Militar do Acre (PMAC), o Corpo de Bombeiros e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), foi assinado na última sexta-feira, 5, entre os órgãos para desenvolver ações conjuntas de fiscalização e educação ambiental nos projetos de assentamento em Rio Branco.

Além disso, foi realizada uma operação de fiscalização que contou o com o reforço do helicóptero Hárpia 01, no intuito de coibir crimes ambientais e combater as queimadas urbanas e incêndios florestais na capital.

Fonte: Agencia de notícias do Acre

Deixe seu comentário: